Nota em defesa da Reforma Psiquiátrica e de uma política de Saúde Mental digna e contemporânea

Através do seu Grupo Temático deSaúdeMental, a Associação Brasileira deSaúde Coletiva - Abrasco assina e divulga o manifesto de docentes epesquisadores brasileiros daSaúdeemdefesadaReformaPsiquiátricaedeumapolíticadeSaúdeMentaldignae conteporânea.

A assistência à saúde mental no Brasil atravessou profundas e importantes mudanças desde a promulgação da constituição de 1988. A Lei 10.216, de abrilde 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras detranstornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental - eque foi conquistada após anos de espera, veio dar o enquadre legal para a transformação da rede de serviços públicos. Entre os anos de 2001 e 2014 houve uma expansão importante de serviços comunitários (como os Centro deAtenção Psicossocial - CAPS, unidades especializadas em saúde mental para tratamento e reinserção social de pessoas com transtorno mental grave epersistente) chegando em 2006 a importante inversão do padrão do gasto público.

Hospitalocêntrico no regime militar passa a ter os recursos gastos majoritariamente com os serviços comunitários e não com hospitais. Com isso, o Brasil alinhava-se com uma inconteste tendência mundial, desde o final dasegunda guerra mundial, de qualificação de cuidados comunitários para os portadores de doenças mentais, próximos às suas famílias, com respeito eliberdade.

A Reforma Psiquiátrica Brasileira – diferente do exposto pela Coordenação Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde, na última reunião do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde - Conass, e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde - Conasems, nesta quinta-feira, 31 de agosto, vem se desenvolvendo de acordo com as orientações propostas pela Organização Mundial da Saúde - OMS, pela Organização Pan-americana de Saúde - OPAS em suas indicações dereestruturação da atenção em saúde mental articulada à rede de serviços territoriais, inseridos na comunidade onde vivem os usuários, suas famílias, amigos e referências pessoais e reabilitadoras, de forma a viabilizar a substituição de hospitais e manicômios como espaços preferenciais de cuidado.

O sistema de saúde brasileiro como um todo encontra-se ameaçado pelo sub financiamento, falta de planejamento e de avaliação e gestão, e, ao abandonode uma política de formação e qualificação permanente de seus atores.

A despeito de seu crescimento, o modelo brasileiro de assistência à saúdemental ainda precisa de expansão de serviços comunitários onde existam leitos cobrindo o cuidado nas 24 horas, e leitos complementares em hospitais gerais para a intervenção responsável nas crises emocionais e uso prejudicial dedrogas. Tais serviços foram os que menos se expandiram em todo o território nacional, deixando as redes de atenção frágeis e pouco potentes, o que tem sido argumento para justificar o retrocesso primitivo aos lugares de exclusão eviolência por gerentes pouco informados e qualificados para a evolução tecnológica e científica do cuidado mental.

O coordenador do Ministério da Saúde para Saúde Mental Álcool e outras drogas, Quirino Cordeiro merece enfático repúdio pelas suas proposições levadas ao Conass e Conasems quando defendeu a expansão dos hospitais psiquiátricos num contexto de congelamento de investimentos por vinte anos no Sistema Único de Saúde.

Tal proposta é obscurantista, retrógrada e anticientífica. Vale destacar que, ao longo de pelo menos 10 anos de implantação da Reforma Psiquiátrica, um grande número de trabalhos publicados, em periódicos nacionais einternacionais, e mesmo uma importante publicação no renomado periódico Lancet, têm apresentado evidências dos inegáveis efeitos positivos da ReformaPsiquiátrica Brasileira sobre a vida de usuários e usuárias de saúde mental que têm acesso aos serviços territorializados.

O nosso compromisso, portanto, é com a ampliação e fortalecimento desse modelo, e não com o seu retrocesso e desestruturação.

06 de setembro de 2017

Grupo Temático de Saúde Mental da Abrasco


Sobre a REDE-TB

A Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose (REDE-TB) é uma Organização Não Governamental (ONG) de direito privado sem fins lucrativos, preocupada em auxiliar no desenvolvimento não só de novos medicamentos, novas vacinas, novos testes diagnósticos e novas estratégias de controle de TB, mas também na validação dessas inovações tecnológicas, antes de sua comercialização no país e/ou de sua implementação nos Programa de Controle de TB no País.


bt2

Contato

E-mail: redetb.rp@gmail.com

Tel: +55 (21)3938 - 2426
Tel/ Fax: +55 (21)3938 - 2431.

Endereço: Avenida Carlos Chagas Filho, 791, Cidade Universitária - Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ - Brasil. CEP: 21941-904

Assine a newsletter da REDE-TB

Curta REDE-TB no Facebook