(Anna Cristina Carvalho – IOC Fiocruz)


O objetivo da pesquisa apresentada pela Anna Cristina Carvalho foi estimar a prevalência do episódio depressivo maior e os fatores clínicos epidemiológicos associados a essa ocorrência, envolvendo pacientes com suspeita de tuberculose e sintomáticos respiratórios atendidos no Centro Municipal de Saúde de Duque de Caxias (RJ). O estudo realizado de 2015 a 2016 foi do tipo transversal com diagnóstico levantado a partir de questionários padronizados e validados internacionalmente.

O paciente com depressão procura menos o serviço de saúde, por isso tem maior propensão à progressão da doença, além do alto risco de abandono do tratamento e do surgimento de resistência. O componente psiquiátrico torna a interação das doenças altamente complexa, mas os determinantes sociais também têm destaque no desfecho do tratamento.

Foram entrevistados 360 sintomáticos respiratórios num questionário sociodemográfico e no teste PHQ9, que é baseado em nove perguntas e gera um escore de marcação de gravidade variável de 0 a 27 pontos. Desses, 95 foram positivos para o episódio de depressão maior, considerada uma elevada prevalência.

Numa análise comparativa de pacientes com e sem tuberculose ativa, foi visto que os portadores da doença tinham uma idade inferior em relação aos sem tuberculose, maior alteração de apetite, massa corpórea mais baixa e duração superior de tosse. Não houve diferença significativa entre a depressão dos pacientes com e sem tuberculose. A análise de variáveis classicamente associadas ao risco da depressão, como uso de drogas e álcool, mostrou que o sexo feminino ocorreu duas vezes mais entre pacientes com depressão.

Baixe o material das palestras

Dia 22

Alexandre Almeida - Biomarcadores

Alexandre Costa - Q3 - Fiocruz -PR

Annika Sweetland TB Depression

Claudete Araujo Biomarcadores

Denise Arakaki -22-06-2017

Delia Boccia Presentation

Elis Regina Epidemio Molec RS

Elena Lassouskaya

Erica Chimara Xpert SP

Ethel Maciel Epidemio Molec

Fatima Fandinho Xpert

Julio Croda TB em prisoes

Joao_Perdigao_Rede_TB2017

Isabela TB Sprint_

Kleydson_WorkshopREDETB_22.06

Karen Gomes - Infecção Mista - Fiocruz

Leo Ribeiro - Estudos in vitro

Leonardo Santana Baiha

Mayla Melo Biomarcadores Neutrofilos

Monica Kramer

Regina Barcelos - Biometrix

Silvana Spindola KitSIRE_Custo

Tonya Duarte Epidemio Mol BA

 

Dia 23

Afranio Kritski TB  Consultorio de Rua

Anna Crisitina - Karina - TB e Depressão

Camila Guindalini - Conhecimento

CamilaDonnola - Homeless - TB

Cristina Pessoa - Segurança - Gestão Qualidade

Denise Rossato - TB DM - MIF

Domingos Alves- Informatização

Edna Ferreira Politicas de Saude

Elisangela Silva - Biomarcadores TB Desnutrição

Fabio Mota Mapeamento BRICS

Janaina Leung - Abordagem Contatos

Luiz Evora - TWIST Systems - Escore TB MDR

Luiz Ricardo - Mobile Technologies

Margareth Dalcolmo - TB MDR Esquemas terapeuticos

Miriam Cohen Gestao Qualidade

Naomi Komatsu PACTU

Pedro Eduardo Almeida da Silva WORKSHOP RIO 2017

Rafael Galliez - Modelo para retirar do Isolamento Respiratório

Raquel Coelho - Papel do CNPq - Pequisa em TB

Sueli Alves Silva - Incorporação Tecnologias

Valeria Rolla - Toxicidade e interação farmacologica em TB-HIV

Sobre a REDE-TB

A Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose (REDE-TB) é uma Organização Não Governamental (ONG) de direito privado sem fins lucrativos, preocupada em auxiliar no desenvolvimento não só de novos medicamentos, novas vacinas, novos testes diagnósticos e novas estratégias de controle de TB, mas também na validação dessas inovações tecnológicas, antes de sua comercialização no país e/ou de sua implementação nos Programa de Controle de TB no País.


bt2

Contato

E-mail: redetb.rp@gmail.com

Tel: +55 (21)3938 - 2426
Tel/ Fax: +55 (21)3938 - 2431.

Endereço: Avenida Carlos Chagas Filho, 791, Cidade Universitária - Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ - Brasil. CEP: 21941-904

Assine a newsletter da REDE-TB

Curta REDE-TB no Facebook